Vitamina A: conheça a importância do nutriente para sua imunidade



Você ficou sabendo do caso de uma senhora de 103 anos que venceu o coronavírus sem sequelas?

Há alguns meses, a recuperação dessa mulher chinesa foi uma ponta de esperança entre tantas notícias ruins.

Mesmo estando dentro do grupo de risco com altas taxas de mortalidade, Zhang Guangfen teve apenas uma “leve bronquite”, conforme disse a equipe que cuidou dela ao jornal britânico The Independent.

Ela ficou internada por 6 dias e conseguiu dar a volta por cima graças a seu bom estado geral de saúde, disseram os médicos.

Na Itália, país que foi castigado pelo vírus Sars-Cov-2, uma outra vovó de 95 anos, apelidada de Nonna Alma, também conseguiu vencer a doença.

As duas se tornaram um símbolo de esperança nestes tempos difíceis que todos nós estamos vivendo, e assim como outros idosos que se recuperaram da COVID-19 em outras partes do mundo, comprovaram que é possível, sim, ter um sistema imunológico forte mesmo após os 90 anos.

Agora, falando sobre o Brasil, o primeiro mapeamento dos pacientes internados com a forma grave do coronavírus saiu no início de abril de 2020.

As informações divulgadas confirmaram o que os jornais vêm dizendo: a COVID-19 se torna mais perigosa com a idade.

A taxa de mortalidade entre pacientes mais velhos na faixa dos 70 anos atinge 8%, e quase 15% entre aqueles com 80 anos ou mais.

E por aqui, o vírus também parece afetar mais os homens mais maduros com as seguintes condições:

  • Níveis de açúcar elevados no sangue
  • Diabetes tipo 2
  • Pressão alta
  • Colesterol ruim (LDL) e triglicérides desregulados
  • Doenças cardiovasculares em geral

Todas essas doenças associadas são um prato cheio para o coronavírus, pois podem piorar a resposta imunológica dos pacientes na hora de combater a doença.

Por isso, quem sofre com alguma dessas doenças precisa redobrar o autocuidado na hora de lavar as mãos, evitar aglomerações e seguir o tratamento recomendado pelos médicos.

E o principal: nunca deixar de alimentar o corpo com nutrientes que podem melhorar o sistema imunológico.

A vitamina que pode transformar suas células mais fracas em potentes

alimentos ricos em vitamina a

Alimentos ricos em vitamina A

Estudos mostram que certos genes envolvidos nas nossas respostas imunes são regulados pela vitamina A, sabia?

Portanto, a deficiência desse nutriente pode levar ao aumento de infecções e a um enfraquecimento geral do sistema imunológico.

Pesquisas também apontam que baixos níveis de vitamina A podem prejudicar a nossa imunidade inata, que é a imunidade com a qual nós já nascemos, a primeira linha de defesa do nosso organismo.

A vitamina A também participa ativamente do processo de diferenciação celular.

Na prática, isso significa que ela atua transformando células de defesa menos potentes (chamados monócitos) em células de defesa mais potentes (conhecidos como macrófagos).

Na alimentação, é possível obter vitamina A em cenouras, abóboras, batatas doces, folhas verdes escuras, salmão selvagem do Alasca, ovos orgânicos, laticínios e carne de animais criados a pasto.

Nesses tempos de pandemia, quem deseja ampliar as doses do nutriente com o objetivo de fortalecer o sistema imunológico, pode optar pela suplementação com doses a partir de 1.200 mcg.

Se ficou interessado, considere conversar com seu médico ou nutricionista sobre as funções das vitaminas A, C, D e E, também sobre a importância das vitaminas do complexo B, bem como dos minerais selênio e zinco.

E se esse artigo foi útil para você, não esqueça de compartilhar nas redes sociais.

 

Fontes:

Dados brasileiros sobre perfis de risco para Covid-19 grave – MEDSCAPE

Vitamin A, immunity, and infection.

Vitamin A, infection, and immune function.