Vitaminas.com.vc

Ômega 3: você encontra um a cada esquina. Mas como fazer a melhor escolha?



Se você é habitante deste planeta, certamente já visitou uma farmácia e, mesmo que tenha ido comprar qualquer outro produto, muito provavelmente já cruzou com aquelas cestas ou gôndolas recheadas dos mais variados tipos de suplementos de ômega 3.

Quando falamos na suplementação de óleo de peixe, a oferta é, de fato, muito grande. Isso porque seus poderes são indiscutíveis. 

Esse suplemento é recomendado por diferentes razões: a principal delas é para prevenção contra doenças do coração. Ao longo dos anos, a ciência tem se debruçado na investigação desses benefícios, e os resultados não poderiam ser melhores.

Olha só a descoberta que os pesquisadores da Escola de Saúde Pública T.H. Chan de Harvard e do Hospital Brigham and Women ‘s, nos Estados Unidos, fizeram…

Após examinarem 13 ensaios (que envolveram 128 mil pessoas!) para procurar quaisquer associações entre suplementação de ômega 3 e doenças cardiovasculares, os experts concluíram que os participantes que suplementaram diariamente tiveram um risco 8% menor de ter ataques cardíacos e morte por doença arterial coronariana quando comparados àqueles que tomaram placebo (também conhecido como remédio de mentirinha).

E mais: apesar da dose de ômega 3 utilizada na maioria dos experimentos ter sido de aproximadamente 840mg, os autores do estudo observaram que dosagens mais altas podem oferecer benefícios ainda mais significativos.

Fantástico, não é mesmo? 

No entanto, dos baratos aos mais caros, sabemos que fica sempre aquele ponto de interrogação na cabeça das pessoas: qual é o melhor suplemento de ômega 3? Tanto faz a fórmula e a marca? NÃO MESMO!

Siga aqui para entender melhor os requisitos que devem ser preenchidos para garimpar um produto de alta qualidade:

✓ Cuidado com o óleo de soja na fórmula

Antes de sacar o cartão de crédito da carteira, sempre leia o rótulo do suplemento de ômega 3 em questão. Sabia que alguns deles levam óleo de soja na fórmula? 

Nada positivo para a sua saúde e para a qualidade do suplemento, o óleo de soja pode ser inflamatório e, ainda por cima, pode oxidar — enferrujar mesmo — os ácidos graxos do ômega 3, fazendo com que percam todos os seus benefícios. 

Suplemento de ômega 3 de concorrente com óleo de soja na fórmula

A vitamina E, sim, é uma excelente alternativa: ela funciona como um veículo que preserva os nutrientes da fórmula e ainda agrega benefícios antioxidantes para quem toma o suplemento. 

✓ Avalie a concentração de EPA e DHA

Para realmente colher os benefícios do ômega 3, esses dois ácidos graxos precisam estar presentes em quantidades adequadas na fórmula. 

Fique atento aos produtos com concentrações baixas, que podem não entregar a eficácia que você precisa…

Suplemento de ômega 3 com 180mg de EPA e 120mg de DHA

Aliás, você sabe para que serve o EPA e o DHA? Bem, resumidamente, o EPA (ácido eicosapentaenoico) é um dos componentes do ômega 3 que apresenta função anti-inflamatória e, consequentemente, pode favorecer a saúde do coração. 

Já o DHA (ácido docosahexaenoico) pode ser um ótimo nutriente para o cérebro, por ser uma gordura boa compatível com a estrutura do cérebro, também composto majoritariamente por gorduras.

✓ Se você quer cuidar do coração, mire no EPA

Como já mencionamos, é o EPA o ácido graxo responsável pelo efeito benéfico para a saúde cardíaca. Portanto, se você busca aproveitá-lo ao máximo, ele deve estar presente em quantidades maiores que o DHA na fórmula.

Mas de uma forma equilibrada, é claro, para que as propriedades do DHA também sejam desfrutadas.

Tome como exemplo o Ômega Sense Pro, suplemento do Vitaminas.com.vc, com 867mg de EPA e 512mg de DHA:

Suplemento de ômega 3 do Vitaminas com 867mg de EPA e 512mg de DHA

✓ Fique de olho na sugestão de consumo

Quando for checar as informações nutricionais do seu suplemento de ômega 3, aproveite para verificar quantas cápsulas você precisa tomar para atingir a dose estampada no rótulo. 

Vamos supor que você tenha escolhido um ômega 3 com 900mg de EPA. A princípio, parece uma quantidade das boas, correto?

Mas, se você tiver que tomar três cápsulas para atingir essa dosagem, isso quer dizer que:

🔺 Cada uma tem, na verdade, 300mg de EPA;

🔺O pote, que costuma vir com cerca de 60 cápsulas, vai durar muito menos que aqueles que sugerem o consumo de apenas duas cápsulas por dia (o que consideramos ideal). Não é um bom negócio para o bolso, concorda? 

Vamos consultar outro exemplo e fazer um exercício. Se este suplemento abaixo soma 540mg de EPA em sua fórmula, mas pede que você consuma três cápsulas para alcançar esse número, faça as contas…

No final, cada uma terá apenas 180mg do ácido graxo.

Suplemento de ômega 3 de concorrente com 540mg de EPA e 360mg de DHA

✓ Questione sua marca favorita

Quem fornece a matéria-prima? O óleo de peixe é livre de metais pesados? Essas são dúvidas que você não deve pensar duas vezes antes de tirar com as marcas. Essas perguntas são chaves importantes que contribuem — e muito — para a qualidade do seu ômega 3 e de qualquer outro suplemento que venha a comprar.

Uma sugestão para você…

O Ômega Sense Pro é extraído de peixes de águas frias e profundas e contém doses equilibradas de EPA e DHA: 867mg e 512mg, respectivamente. 

Sua fórmula também conta com a vitamina E, um antioxidante que auxilia na proteção contra os danos causados pelos radicais livres. 

Com o uso constante, seus ácidos graxos essenciais podem auxiliar na redução dos níveis de triglicérides e na manutenção da saúde cardiovascular. 

Livres de metais pesados e mercúrio, as cápsulas do Ômega Sense Pro devem ser consumidas duas vezes ao dia e duram 1 mês. 

Referências bibliográficas:

Harvard Health Publishing – Harvard Medical School. Omega-3 Supplements May Improve Heart Health.

Rizvi, S., Raza, S. T., Ahmed, F., Ahmad, A., Abbas, S., & Mahdi, F. (2014). The role of vitamin e in human health and some diseases. Sultan Qaboos University medical journal, 14(2), e157–e165.

DiNicolantonio JJ, O’Keefe JHOmega-6 vegetable oils as a driver of coronary heart disease: the oxidized linoleic acid hypothesisOpen Heart 2018;5:e000898. doi: 10.1136/openhrt-2018-000898.