Vitaminas.com.vc

Substância encontrada no whisky pode ajudar a enxugar a próstata?



Já dizia o poeta Vinícius de Moraes: “O whisky é o melhor amigo do homem, ele é o cachorro engarrafado”.

Você concorda?

Nem tanto ao céu, nem tanto à Terra.

Álcool em excesso pode fazer mal, e o nosso saudoso poeta brasileiro tinha problemas com bebidas, mas o objetivo desse texto é outro: revelar o nome de uma substância que está escondida no whisky Bourbon e que pode ajudar a enxugar a sua próstata.

Como assim?

É que o whisky leva milho na composição, e, durante o processo de envelhecimento, a bebida passa por diversos barris feitos com a madeira de árvore carvalho.

E é por isso que, sim, essa bebida contém uma substância natural gordurosa produzida por plantas que pode ajudar homens a se livrarem do pinga-pinga urinário.

O nome dessa substância é beta-sitosterol.

Whisky contém baixas doses de beta-sitosterol

Mas, calma! Não recomendamos que você exagere na dose. Até porque excesso de álcool pode ser inflamatório e prejudicar a sua saúde.

Quer saber quanto você pode tomar de whisky? Se você não tiver problemas de alcoolismo, claro, até uma dose por semana. Quanto menor a ingestão de álcool, melhor.

Agora, para homens que realmente desejam ter um aliado para combater os desconfortos urinários causados pela próstata inchada (o que talvez seja o seu caso), vale conhecer o óleo de sementes de abóbora, uma fonte natural ainda mais rica em beta-sitosterol do que o whisky e livre de efeitos colaterais.

Como o beta-sitosterol funciona?

Bom, hiperplasia prostática benigna (HPB) é o diagnóstico que o homem cuja próstata cresceu além da conta recebe.

Aqui no Brasil, quase metade da população masculina entre 51 e 60 anos tem problemas com o aumento desta glândula.

Após os 80 anos, então, quase 90% têm a próstata inchada.

Com o passar do tempo, essa condição vai trazendo sintomas como jato fraco, sensação constante de bexiga cheia, sono interrompido e queda do desempenho sexual.

E você por acaso já se perguntou qual seria uma das causas desse pesadelo?

hiperplasia da próstata

Próstata inchada traz sensação constante de bexiga cheia

Uma enzima traiçoeira chamada 5-alfa-redutase, responsável por fazer a sua próstata aumentar de tamanho com o avançar da idade.

Quando essa enzima está em alta no organismo, ela faz uma bagunça nos hormônios e transforma a testosterona em um outro hormônio chamado DHT.

Entenda, o DHT, quando em quantidades normais, é importante para os homens.

Mas, quando está em excesso, pode causar grandes problemas, inclusive o crescimento desenfreado da próstata.

E onde é que entra o tal de beta-sitosterol?

Dentro do seu corpo, o beta-sitosterol age fazendo com que a enzima 5-alfa-redutase pare de transformar toda a sua testosterona em DHT.

Estudos confirmam a eficácia do beta-sitosterol na redução do inchaço e dos desconfortos de próstata.

Em um deles, realizado pela Ruhr-University Bochum, na Alemanha – e publicado pelo jornal científico The Lancet –, pesquisadores acompanharam 200 homens com problemas associados a uma próstata envelhecida.

Os médicos deram beta-sitosterol à metade do grupo, enquanto a outra metade tomou placebo.

E o resultado? O grupo que recebeu beta-sitosterol teve uma melhora na vontade perturbadora de urinar 3,5 vezes maior em comparação ao grupo do placebo.

Interessante, não é?

óleo de sementes de abóbora

Sementes de abóbora são ricas em beta-sitosterol e zinco

Para auxiliar na prevenção de problemas de próstata, inclua punhados de sementes de abóbora na sua alimentação.

Agora, se você já está sofrendo com os sintomas causados pela próstata aumentada, discuta com o seu médico a opção de suplementar o óleo de sementes de abóbora concentrado em cápsulas.

Se você ficou interessado em tomar este suplemento alimentar, procure saber sobre a concentração de beta-sitosterol do produto escolhido por você.

Resultados mais consistentes são obtidos com concentrações acima de 43%.

Referências bibliográficas:

Quantitation of β‐Sitosterol in Bourbon

The effectiveness of beta-sitosterol in treatment of benign prostatic hyperplasia