Luz azul de celular pode acelerar cegueira; veja como se proteger



Você sabia que o Brasil tem mais celulares em uso do que gente?

A nossa população superou a marca de 210,1 milhões de pessoas, e nosso país possui 230 milhões de celulares ativos.

Graças à tecnologia, você hoje pode ter acesso, por exemplo, às informações sobre saúde natural neste espaço. Isso é ótimo!

Mas não podemos fechar os nossos olhos para um problema que vem afetando a visão das pessoas e acelerando uma doença chamada degeneração macular, principal causa de cegueira irreversível: a luz azul emitida pelas telas dos celulares.

Os brasileiros passam, em média, nove horas e vinte nove minutos todos os dias olhando para a telinha do smartphone. Em um ano, isso rende 145 dias presos a uma tela.

Você acha mesmo que isso não acarretaria nenhum dano?

O perigo da luz azul

Na Universidade de Toledo, nos Estados Unidos, pesquisadores descobriram que a luz azul emitida pelos eletrônicos prejudica moléculas chamadas retinaldeído, derivadas da vitamina A.

Essas moléculas são imprescindíveis para que as células que captam a luz através dos nossos olhos consigam transmitir as informações ao nosso cérebro, ajudando na codificação das imagens que a gente enxerga.

Acontece que, quando expostas à tela azul, as moléculas de retinaldeído reagem e produzem substâncias tóxicas que prejudicam as nossas próprias células fotorreceptoras.

Degeneração macular

Degeneração macular é caracterizada pela perda de visão da área central do olho

Aos poucos, as células fotorreceptoras morrem e não se regeneram no olho, e esse dano pode acelerar uma degeneração macular, ou seja, a perda de visão da área central do olho.

A degeneração macular é a terceira maior causa de cegueira no mundo, perdendo apenas para a catarata e para o glaucoma.

A vitamina que pode reduzir os estragos causados pela luz azul

Os mesmos pesquisadores da Universidade de Toledo descobriram que o alfa-tocoferol, um derivado da vitamina E, pode impedir a morte das células receptoras de luz quando expostas à luz azul das telas.

No entanto, de acordo com os cientistas, os nossos níveis de vitamina E se tornam menos eficientes com a idade. Fora isso, a maioria das pessoas não ingere a dose recomendada do nutriente por dia.

Quando o assunto é visão cristalina, é importante destacar que a vitamina E é uma poderosa faxineira ocular que manda as sujeiras acumuladas na mácula (região central da retina) para longe.

Fora isso, a vitamina E também ajuda o corpo na hora de absorver a vitamina A, sabia?

A vitamina A é uma velha conhecida por beneficiar a saúde da visão. É ela quem mantém a córnea clara, funcionando como uma camada protetora dessa parte ocular.

Além disso, ela é rica em uma proteína chamada rodopsina, que ajuda a gente a enxergar melhor no escuro.

Então, para proteger a sua visão dos danos causados pela luz azul e prevenir a cegueira causada pela degeneração macular, a dica é investir em alimentos ricos em vitamina E, como gema de ovos, fígado e castanhas.

Para ingerir vitamina A, você pode incluir os alaranjados, como cenoura e mamão papaya, no cardápio. Esses alimentos são ricos em carotenoides que, dentro do seu organismo, serão transformados em vitamina A.

Os antioxidantes mais potentes para a saúde ocular

luteína zeaxantina gema brócolis

Brócolis e gema de ovo são fontes de luteína e zeaxantina

A luteína e a zeaxantina são dois pigmentos amarelos capazes de constituir uma camada protetora na mácula, ajudando a filtrar a luz azul e os raios ultravioletas.

A couve e o brócolis refogados são boas fontes desses antioxidantes.

Para quem sente a visão prejudicada há mais tempo, a sugestão é buscar bons suplementos alimentares disponíveis no mercado.

A cápsula considerada ideal para a visão precisa ter luteína, zeaxantina, vitaminas A, C e E e os minerais cobre, zinco e selênio.

É importante também reduzir o uso de telas azuis sempre que possível e consultar um oftalmologista de confiança.

Se você gostou deste conteúdo, compartilhe nas redes sociais.

 

Fontes:

Ratnayake, K., Payton, J.L., Lakmal, O.H. et al. Blue light excited retinal intercepts cellular signaling. Sci Rep 8, 10207 (2018).

Lutein: more than just a filter for blue light






[{"code":""
[{"code":""
"label":"Not quite"
"label":"Not quite"
"win":false}
"win":false}
{"code":"www.jolivi.com.br"
{"code":"www.jolivi.com.br"
"label":"10% Off"
"label":"10% Off"
"win":true}
"win":true}
{"code":"FREESHIPPING"
{"code":"FREESHIPPING"
"label":"Free shipping"
"label":"Free shipping"
"win":true}
"win":true}
{"code":"10OFF"
{"code":"10OFF"
"label":"10% Off"
"label":"10% Off"
"win":true}
"win":true}
{"code":""
{"code":""
"label":"No luck today"
"label":"No luck today"
"win":false}
"win":false}
{"code":"10OFF"
{"code":"10OFF"
"label":"10% Off"
"label":"10% Off"
"win":true}
"win":true}
{"code":""
{"code":""
"label":"Spin again"
"label":"Spin again"
"win":false}
"win":false}
{"code":"10OFF"
{"code":"10OFF"
"label":"10% Off"
"label":"10% Off"
"win":true}
"win":true}
{"code":"25OFF"
{"code":"25OFF"
"label":"25% Off"
"label":"25% Off"
"win":true}
"win":true}
{"code":"FREESHIPPING"
{"code":"FREESHIPPING"
"label":"Free shipping"
"label":"Free shipping"
"win":true}
"win":true}
{"code":""
{"code":""
"label":"Almost"
"label":"Almost"
"win":false}
"win":false}
{"code":"25OFF"
{"code":"25OFF"
"label":"25% Off"
"label":"25% Off"
"win":true}]
"win":true}]