Vitaminas.com.vc

Insônia? Entenda como funciona um bom suplemento com triptofano



Talvez já tenha ouvido relatos desesperados do seu vizinho, de algum parente, amigos — ou a dita cuja pode ter acertado você mesmo em cheio: i-n-s-ô-n-i-a. 

A perda da qualidade de sono é um mal cada vez mais frequente, especialmente nos últimos tempos. Segundo estimativa da Associação Brasileira do Sono, cerca de 73 milhões de brasileiros sofrem com dificuldade para dormir. 

Mais preocupante ainda é a prescrição de remédios com que muitas pessoas saem dos consultórios, na esperança de resolver o danado do sono picado.

Os benefícios, muitas vezes, acabam não sendo sentidos como o esperado e efeitos colaterais como falhas na memória, confusão mental, maiores riscos de desenvolver Alzheimer e criar dependência desses medicamentos roubam o protagonismo da situação. 

De acordo com um estudo californiano, pacientes que fazem uso de hipnóticos para dormir apresentam um risco três vezes maior de morte, mesmo quando a prescrição é de menos de 18 comprimidos por ano.

Na contramão dessa abordagem perigosa, a boa notícia é que, hoje, existem no mercado diversas soluções naturais, como os suplementos alimentares, que podem ajudar a cessar as noites maldormidas de forma mais saudável.

No entanto, a oferta é tão grande que fica difícil saber qual é o mais adequado para auxiliar na recuperação do seu ciclo do sono de forma efetiva e segura. E é por isso que preparamos este artigo.

Escolhendo um bom suplemento para dormir: só o triptofano basta?

Alguns suplementos, como você pode notar nas tabelas nutricionais de outras empresas (abaixo), têm apenas triptofano na fórmula, um aminoácido responsável por participar da produção da melatonina, o conhecido hormônio do sono. 

Se você nunca ouviu falar antes, o triptofano — que, por sinal, não é produzido pelo nosso próprio corpo —, é utilizado pelo cérebro para ajudar o corpo a formar serotonina, neurotransmissor que regula nosso bem-estar. 

Por isso, também pode ser bastante útil para melhorar o sono, reduzir a ansiedade, ajudar a combater a depressão… Uma grande revisão feita pela Universidade de Maastricht, na Holanda, descobriu, inclusive, que níveis baixos de triptofano podem impactar negativamente a cognição e a memória. 

Suplemento para dormir com triptofano na composição

Suplemento para dormir com triptofano na composição

Até aí, tudo parece maravilhoso.

Mas será que só a presença do triptofano seria suficiente para ajudá-lo a pegar no sono com mais facilidade? 

Bem, apesar do triptofano ser, de fato, velho conhecido das fórmulas naturais para dormir, o conselho para que você tenha um resultado realmente satisfatório é buscar por suplementos que contenham outros nutrientes que façam parte do processo de produção da melatonina — uma espécie de “cascata”:

De acordo com um estudo finlandês, publicado no jornal científico Food & Nutrition Research, esse é o mecanismo que ocorre no organismo até chegar na formação da melatonina:

Cascata da melatonina: nutrientes que participam da formação da melatonina

Em resumo, um nutriente depende do outro para que o hormônio do sono seja, de fato, ativado. Na ausência de algum deles, a conta não fecha muito bem.

 E por isso, vale o reforço: apostar no combo completo pode ser muito mais interessante para a saúde do seu sono do que investir apenas no triptofano de forma isolada.

Segue aqui uma lista de todas as substâncias que formam a cadeia que se transforma em melatonina:

✓ Triptofano;

✓ Magnésio; 

✓ Zinco; 

✓ Vitamina B3;

✓ Vitamina B6;

✓ Vitamina B9;

✓ Vitamina B12.

Você pode encontrá-las não apenas na suplementação, como também nos alimentos, é claro. Oleaginosas, fígado, banana, sementes de abóbora, ovo e salmão são algumas das opções que possuem um bom aporte desses nutrientes.

De olho na quantidade

Também ative a sua lupa para checar a quantidade de triptofano presente na fórmula do seu suplemento. 

Ele é o principal elemento que precisa entrar no organismo para que, assim, o maquinário para realizar o processo da produção de melatonina comece a funcionar.

 Algumas marcas oferecem 190 mg, 250 mg de triptofano…

Suplemento para dormir com triptofano na composição

Suplemento para dormir com triptofano na composição

Suplemento para dormir com triptofano na composição

Mas também existem produtos, como é o caso do Tripto Sense, que proporcionam dosagens maiores (500 mg) para ajudar a retomar as noites de sono.

Tripto Sense, suplemento do Vitaminas.com.vc

Este suplemento também conta com todos os nutrientes envolvidos na cadeia de formação da melatonina: triptofano, magnésio, zinco e as vitaminas B3, B6, B9 e B12.

E tanto a vitamina B9 quanto a B12 estão presentes em suas formas ativas no Tripto Sense (metilfolato e metilcobalamina, respectivamente), o que as torna mais potentes para agilizar o processo de conversão dos nutrientes, uma vez que já se apresentam prontas para serem utilizadas no organismo. 

 Além disso, o zinco e magnésio presentes na fórmula são os autênticos minerais quelados, que quer dizer algo como “fortemente ligados”. Na prática, é possível afirmar que são melhor absorvidos pelo organismo do que em sua forma comum. 

Agora que você já tem todos os insumos para escolher um bom suplemento para melhorar as noites de sono, busque lojas especializadas de confiança e faça a sua compra sempre com consciência. 

Referências bibliográficas:

Correio Braziliense. Pesquisa aponta que 73 milhões de brasileiros têm dificuldades para dormir.

Kripke DF, Langer RD, Kline LE. Hypnotics’ association with mortality or cancer: a matched cohort study. BMJ Open. 2012 Feb 27;2(1):e000850. doi: 10.1136/bmjopen-2012-000850. PMID: 22371848; PMCID: PMC3293137.

Mendelsohn D, Riedel WJ, Sambeth A. Effects of acute tryptophan depletion on memory, attention and executive functions: a systematic review. Neurosci Biobehav Rev. 2009 Jun;33(6):926-52. doi: 10.1016/j.neubiorev.2009.03.006. Epub 2009 Mar 18. PMID: 19428501.

Peuhkuri, K., Sihvola, N., & Korpela, R. (2012). Dietary factors and fluctuating levels of melatonin. Food & nutrition research, 56, 10.3402/fnr.v56i0.17252. https://doi.org/10.3402/fnr.v56i0.17252.