A sigla que pode ajudar a eliminar a gordura no fígado



Um homem sem barriga é um homem sem história”.

Levantei muito copo de cerveja para construir esse pânceps”.

Quem aqui já ouviu essas piadas sobre a famosa barriga de chope?

Brincadeiras à parte, o acúmulo de gordura na região da barriga é sério e está ligado a uma série de complicações como:

– colesterol e triglicérides desregulados
– risco de diabetes
– pressão alta
– ou tudo isso junto, a famosa síndrome metabólica.

Não bastasse acarretar tantos problemas, quem possui esse conjunto de condições ao mesmo tempo ainda corre o risco de desenvolver esteatose hepática, que é quando a gordura vai se alojando no interior das células do fígado.

Cerca de 30% da população mundial sofre de esteatose hepática não alcoólica, sabia?

Ter gordura no fígado é muito comum, mas não deveria ser aceitável.

Ah! Um fígado gordo pode até estar ligado a falta de desejo sexual.

Uma pesquisa realizada pela renomada Universidade Columbia, localizada em Nova York, nos EUA, analisou 16 estudos envolvendo 13.721 homens.

Os pesquisadores descobriram que homens com gordura no fígado tinham níveis de testosterona mais baixos.

Níveis baixos de testosterona podem prejudicar a libido e fazer com que alguns homens se sintam sem energia para o dia a dia e para a hora H.

Se não tratada ou revertida, a esteatose hepática não-alcoólica também pode acarretar complicações mais graves como cirrose e até câncer.

Como eliminar a gordura no fígado

Dieta baixa em carboidratos ajuda a reverter o quadro de gordura no fígado

Um fígado saudável desempenha mais de 500 funções fundamentais para a manutenção da saúde.

Entre elas, a capacidade de filtrar e eliminar as toxinas do organismo.

Para combater o quadro de gordura no fígado, nutricionistas funcionais costumam recomendar uma dieta baixa em carboidratos e rica em gorduras boas como abacate, óleo de coco, castanhas e peixes gordurosos fontes de ômega 3.

E por falar no ômega 3, essa substância natural além de auxiliar a saúde da visão, do cérebro, do coração, ainda pode prevenir ou até mesmo reverter o quadro de gordura no fígado.

Fígado em forma

O ômega 3 é um conjunto de gorduras boas formado pelo EPA (ácido eicosapentaenóico) e pelo DHA (ácido docosahexaenoico).

Os efeitos do DHA na melhora do quadro de gordura do fígado foram comprovados pela Universidade de Oxford.

Pesquisadores revisaram 18 estudos sobre os efeitos benéficos dos ácidos graxos ômega 3.

Entre os consumidores de DHA – com hábitos saudáveis – foi constatada a melhora da gordura hepática e, ainda por cima, a redução de fatores de risco cardíaco.

De acordo com a revisão dos cientistas feita com pacientes de 5 países diferentes, a ingestão de DHA resultou em bons resultados em 180 dias de uso.

O que é o DHA?

Efeitos do DHA foram comprovados pela Universidade de Oxford

O DHA é um tipo de gordura saudável naturalmente presente nas nossas células e também encontrada em peixes como cavala, sardinha e salmão selvagem.

Como nosso corpo não produz DHA em quantidades significativas, o nutriente só pode ser suprido com uma alimentação rica em peixes de águas frias e profundas, ou através do consumo de cápsulas de qualidade e livres de metais pesados ou óleo de soja.

Se você ficou interessado em tratar a esteatose hepática não alcoólica com a ajuda do DHA, a sugestão é que você busque suplementos de ômega 3 que tenham a proporção 70% DHA e 10% EPA, e que levem vitamina E na fórmula para garantir a eficácia dos nutrientes.

A dose recomendada é a partir de 2 cápsulas ao dia.

Se essas dicas foram úteis para você, compartilhe nas redes sociais.

Fontes:

Testosterone, Sex Hormone-Binding Globulin and Nonalcoholic Fatty Liver Disease: a Systematic Review and Meta-Analysis.

Systematic review and meta-analysis of controlled intervention studies on the effectiveness of long-chain omega-3 fatty acids in patients with nonalcoholic fatty liver disease